Seguir

terça-feira, 2 de maio de 2017

Expedição Brasil até ao Alaska - Diário do dia 17 a 26/04/2017

11- Diário do dia 17 a 26/04/2017

A estrada até a fronteira de El Florido, Honduras/ Guatemala estava horrível. Continuava o mesmo problema. Muito poço (buraco) na pista. Tínhamos que manter muito a atenção para não romper com pneu ou aro. Além do mais tinha as inúmeras lombadas, que aqui e em Honduras chamam de TÚMULO. Interessante o nome para lombada. Chegando na fronteira de Honduras o atendimento foi muito rápido, até me surpreendi, pois era termino de férias (aqui) feriado prolongado.
Logo em seguida vem os trâmites de Guatemala. O atendimento foi impecável. A cordialidade foi muito boa. Excelente recepção. Pedimos mapas e folders turísticos e providenciaram de imediato. Depois da imigração fui para a Aduana fazer a importação temporária do MH. Não precisou tirar cópia fora. Providenciaram todas as cópias. Muito legal isso.  A atendente solicitou os documentos de praxe, tirou as cópias, preencheu dados no computador. Foi conferir os dados no MH (número de chassi, placa, cor e se era casa rodante-como são chamadas por aqui). Voltou ao guichê, preencheu mais dados e imprimiu documento com taxas para pagar no banco rural que estava mais ou menos uns 100 metros. Aproveitei para sacar dinheiro, pois aqui a moeda chama-se Quetzal, valor equivalente U$ 1(um dólar) = Q 7,23(sete quetzal e vinte e três centavos). A taxa foi no valor de Q 160,00(cento e sessenta quetzal). Voltei ao guichê com as taxas pagas e ela pegou uma etiqueta e inseriu os dados no documento e foi até ao MH anexar a decalque no para-brisa. Fiquei com o original e a cópia do documento para entregar na saída. Foi tudo muito tranquilo.
Na Guatemala o combustível é vendido a galão, equivalente a 3,785 litros. A medida de peso em Honduras e Guatemala é em libras, o que equivale 1 libra a 454 gramas. No supermercado temos que fazer alguns cálculos para termos um comparativo dos preços praticados no Brasil. Essa parte é a Valquíria que controla e sabe os preços.
Na Guatemala seguimos pela rodovia CA10, muito ruim também, continuamos pela CA21 até a cidade de Vado Hondo, voltando a pegar a rodovia CA10 até a cidade de Rio Hondo. Dali seguimos pela CA09 até depois da cidade de Morales onde dobramos a esquerda e pegamos a rodovia CA 13 até a cidade de Rio Dulce, onde paramos para dormir numa estação de serviço da Shell. Pagamos Q 40,00 para estacionar e usar agua e energia elétrica. Sai mais em conta do que eu iria gastar com gasolina no gerador. O valor total sai em torno de US$ 5,53(cinco dólares e cinquenta e três cents). Está bom demais, pois com esse calor não dá para ficar sem o ar condicionado.
Acordamos cedo, conforme de costume, seguimos o nosso ritual de sempre, reabasteci a casa com água e pegamos a rodovia CA-13 até a Aldeia Ixlú. Dali seguimos pela CA-3 passando pela cidade de El Remate até o portão principal do PN Tikal. Dali até as ruinas são em torno de 17 km. Chegamos perto das 15:30 horas e o fechamento do parque são as 18:00 horas. A entrada para visitar as ruinas são no valor de Q 150,00 por pessoa. O museu custa + Q 30,00 por pessoa. Tem 3 hotéis dentro do parque e dois campings. O valor do camping era de Q 50,00 por pessoa. Achamos caro, pois não tinha luz e era só para estacionar. Resolvemos entrar no parque no dia seguinte e aproveitar bem o dia. Voltamos até a pequena cidade de El Caoba e dormir no pátio ao lado da igreja. Quando chegamos já fui conversar com morador local, e ele disse que não tinha problema para ficar que ali todo local é seguro. Dito e feito, dormimos uma noite bem legal.
Acordamos cedo e pegamos a estrada até a entrada do parque. Pagamos os dois ingressos e também o do museu. Existe dois museus, sendo que um não precisa pagar, pois é o de pesquisa. O outro sim, pois estão algumas peças e também mostra a saga dos pesquisadores desde a descoberta no ano de 1895. Vale a pena a visita.
Circulamos por todo o parque e tem uma estrutura muito boa, pois as ruinas são muitas e a caminhada por trilha também. O lugar tem muitas sobras, pois reflorestaram novamente e tem arvores enormes, lugares para descansar, muitos banheiros, lixeiros e quiosques para vendas de refrigerante a salgadinhos. O local é rico em flora e fauna. Avistamos muitos animais em seu habitat natural. Sendo, a grande diversidade de pássaros, bugios, esquilos e quatis.
As esculturas são enormes, e distante umas das outras. É o dia todo caminhando no meio da mata. Em comparação com a Copán Ruinas, aqui é muito maior. Fico muito impressionado com estas construções e de uma civilização que tinha muito conhecimento e desapareceu. Existe algumas teses, mais nada é concreto. Pois ainda tem muito a estudar. Continuam reconstruindo as ruinas e a cada trabalho novas descobertas. A próxima cidade Maia que quero conhecer é a do México e assim terei uma pequena visão deste império que chegou até Guatemala e Honduras. Foi um dia de muito cansaço, muito calor, mais fantástico e inesquecível. Vale a pena visitar. As fotos foram incríveis e de difícil escolha para publicar no blog.
Depois desse dia de muita história e lindas visões fotográficas, voltamos para descansar na pequena cidade de El Caoba. A noite caiu uma grande trovoada e até nos assustou. Mas, depois refrescou a noite e nem precisou ligar o gerador para o ar condicionado.
Voltamos a rotina normal, café da manhã, organização e limpeza do nosso MH. Depois pegamos a estrada. Seguimos pela CA-3 até El Remate e depois pegamos a CA-13 até Santa Elena e fomos para a pequena Ilha de Flores dentro do Lago Peten Itza. Tem uma rodovia que circula toda ilha e a pé em menos de uma hora contorna toda ilha. Esta ilha é ponto de apoio a quem vai visitar o PN Tikal. Os turistas saem de manhã cedo e retornam no final da tarde. Ela em seu entorno e cheio de restaurantes e barzinhos. Tem também barracas de comidas típicas que no final de tarde fica cheia, pois grande parte de turistas ficam na orla para fazer o Happy Hours e ver o pôr do sol. A gente fica maluco de tantas formas em que o sol vai se pondo. A influência da luz sobre a paisagem, é uma foto em cima da outra. Recomendo visitar esta ilha. Nós paramos o nosso MH numa das poucas áreas que tem de estacionamento e passamos o dia e a noite muito tranquila.
Acordamos no nosso horário normal, cedo, aproveitamos para apreciar a vista do belo lago e tomamos o nosso tradicional café da manhã. Vocês devem ter notado que essa parte é repetitiva, mas faz parte da nossa rotina. Não dispensamos nenhuma refeição. E cumprimos com todas elas e que para nós o café da manhã é fundamental. Depois arrumamos a nossa casa. Se alguém pensa que não tem rotina, tem sim, pois fazemos todas as atividades normal de uma casa. Arrumar a cama, por lixo no lixeiro, limpar banheiro, varrer a casa e passar um pano úmido, lavar louça, lavar roupa, etc. Essa parte não muda. O que muda é o ambiente e aí fica até mais prazeroso fazer essas rotinas. Não falei da rotina do carro. Tem também, mas isso conto em outro post.
Depois, voltamos a pegar estrada e resolvemos seguir por um caminho diferente. De início seguimos pela rodovia CA-11 até o rio onde a outra margem é a cidade de Sayaxché. Atravessamos com uma balsa esse rio e seguimos pela mesma rodovia até a cidade de Xuctzul e dali seguimos pela CA-9 até a cidade de Cobán. Passamos uma tarde na cidade e pegamos a CA-14 e dormimos no Hotel Camping Eco Holanda. Fica num bosque, com lago no meio das montanhas, com muitas arvores e pássaros. Tivemos uma noite agradável de sono. De manhã, a Valquíria aproveitou a luz e água para lavar roupa. Após reabastecemos a casa de água e seguimos pela CA-14 até a cidade de El Rancho e dali rumamos para a capital Cidade de Guatemala pela CA-9. Na capital aproveitamos para fazer compras no mercado e reabastecer a nossa dispensa. Aproveitei para sacar dinheiro também.
Já estava escurecendo e seguimos pela rodovia CA-10 até a cidade de Antígua Guatemala. Essa era a capital anterior da Guatemala. Cidade tombada pela UNESCO, no ano de 1979, tendo suas ruas de pedra e mantem a herança da cultura Hispânica colonial, sendo a primeira capital da América Central. Quando estamos próximos a cidade a rodovia é só descida. Temos que cuidar dos freios para não esquentar muito. Não tem acostamento e tem três pistas de fugas para caminhões e são obrigados descer pela pista da esquerda. Ainda assim, tem muitos acidentes. Chegamos praticamente de noite e rumamos para o estacionamento da Polícia de Turismo. Lugar visto no IOverlander e onde muitos viajantes ficam por aqui, pois é bem central e podemos visitar toda a parte histórica a pé, além do mais é free. Há quando chega, tem uma série de regras para estacionar e só após você concordar, eles fazem o seu registro. O local é só para estacionamento, não fornecem, agua, luz e nem pode utilizar outras dependências da Polícia de Turismo. Bem, nós não precisamos de nada, pois já fomos com o carro abastecido de água. Tinha turistas da Holanda, Canadá, Itália e França e nós os Brazucas.
Realmente o lugar é estratégico para conhecer a cidade. Faz-se tudo a pé. A cidade é muito legal e tem um clima bem agradável. Passeamos bastante por diversas ruas, muitos museus, igrejas e ruínas do último terremoto de 1976. Uma coisa nos chamou muito a atenção, a simpatia do povo local. Visitamos o escritório de informações turísticas e a simpática Susie, nos atendeu muito bem. Tirou fotos para mostrar para o seu chefe.
No dia seguinte, cumprimos a nossa rotina e todos os dias, e fomos passear na cidade. Por volta das 10 da manhã resolvemos pegar a estrada em direção a Lago de Atitlán para a cidade de Panajachel. Pegamos a rodovia RN-14 até a cidade de El Tejar e ali entramos na rodovia Pan-americana CA-1 até a cidade de La Cuchilla. Depois seguimos pela RN-1 passando pela cidade de Sololá, continuamos na mesma rodovia, descendo uma grande serra de pistas íngremes e estreitas até a cidade de Panajachel a beira do Lago Atitlán.
Ao entrarmos na cidade, tivemos que pagar uma taxa municipal de    Q 10,00 (dez quetzal), semelhante a de Bombinhas. Depois fomos ao escritório Turística. A recepção foi de muita surpresa, pois dessa vez a Valquíria foi até o escritório colher os dados do local e o responsável Samuel disse para ela que já estava nos esperando. A Valquíria levou um susto, pois não imagina que a Susie passaria essa informação. Eu estava parado com o MH na frente do escritório, não era um lugar adequado para parar, enquanto a Valquíria estava lá dentro, quando uma policial chegou perto de mim e perguntou se eu precisava de alguma coisa. Pensei logo que ela iria pedir para que eu tirasse o carro. Mas informei a ela sobre o que estava acontecendo e ela simplesmente disse que estava ali para servir, se precisasse de alguma informação ela poderia ajudar. Essa parte da policial achei muito bacana, pela educação, cordialidade e presteza.
Bem, fomos ao estacionamento público perto do lago para passarmos a noite. O lago é lindo demais e ainda sem custo. Não tem nenhum serviço, mas para nós ter um local seguro e tranquilo, está bom.
Na manhã seguinte, fomos circular pelo lago. Muitos passeios de barco e também muita gente tomando banho. A água é de cor azul e muito transparente. Muitos bares, restaurantes e lojas de todo o tipo de artesanato. O lugar é pequeno e pode circular tudo a pé.

Amanhã, começaremos a nossa saída da Guatemala em direção ao México. Mas isto vou contar no nosso próximo post.
Antígua Guatemala


Antígua Guatemala

Antígua Guatemala

Antígua Guatemala

Antígua Guatemala

Antígua Guatemala

Antígua Guatemala

Antígua Guatemala

Antígua Guatemala

Antígua Guatemala

Antígua Guatemala

Antígua Guatemala

Antígua Guatemala

Antígua Guatemala

Antígua Guatemala

Balsa em Sayaxché 

Balsa em Sayaxché 

Camping Eco Holanda - Cobán 

Camping Eco Holanda - Cobán 

Froteira El Florido Honduras/Guatemala

Isla das Flores 

Isla das Flores

Isla das Flores

Isla das Flores 

Isla das Flores

Isla das Flores

Isla das Flores

Isla das Flores

Isla das Flores

Isla das Flores 

Isla das Flores

Panajachel - Lago Atitlán 

Panajachel - Lago Atitlán

Panajachel - Lago Atitlán

Panajachel - Lago Atitlán

Panajachel - Lago Atitlán

Panajachel - Lago Atitlán

Panajachel - Lago Atitlán

Panajachel - Lago Atitlán 

Panajachel - Lago Atitlán

Panajachel - Lago Atitlán

PN Ruínas de Tikal 

PN Ruínas de Tikal

PN Ruínas de Tikal

Um comentário:

  1. Maravilhosas as fotos Raul, realmente interessante o lugar, fico feliz pela aventura dos sonhos que vocês estão fazendo. Um abraço meu irmão e um beijo para a Valquíria.

    ResponderExcluir