Seguir

domingo, 2 de abril de 2017

Expedição Brasil até ao Alaska - Diário do dia 21 a 31/03/2017

Diário do dia 21 a 31/03/2017

De Las Lajas saímos com rumo para a fronteira, mas muito tranquilo pela rodovia Pan-americana, sendo a rodovia muito boa, mas estão em obras e por isso a gente para constantemente. A rodovia é todo em pista dupla. Almoçamos na frente de um grande shopping. O calor está por demais.
À noite, dormindo de frente para o mar, mas a temperatura não baixa. Não tem aquele “ventinho” que tudo mundo espera para se refrescar. Pensava que a agua do mar nesta região do Pacifico fosse fria, igual a da América do Sul, mas é quente. Coisas de correntes marinha. Não dá nem para tomar um banho de mar para se refrescar. Aproveitei para fazer a Declaração do Imposto de Renda e enviar para ficar de boa com o Leão. Aliás esse Leão está cada vez mais faminto!!!
Bem chegamos na fronteira Panamenha e foi tudo muito rápido. Não esperava que fosse assim. Quando fomos para a fazer os trâmites na fronteira da Costa Rica, foi uma decepção. Não sei o que houve, mas achei o pessoal muito carrancudo e pouco prestativo. Para começar a Costa Rica tem o fuso horário com uma hora a menos que o Panamá. Metade dos guichês fechado. Horário de almoço.
Resolvido a nossa parte na Imigração, fomos tratar de fazer a Importação Temporária do nosso MH. As cópias nem vou falar porque já é de praxe. Faltava fazer o seguro SOA e tirar cópia e preencher dois formulários. Nada complicado. Tudo muito simples. Só que tivemos que aguardar o guichê da seguradora abrir, pois tinha fechado para almoço.
Fizemos o seguro, no valor de USD$ 40,00 dólares. Uma observação: aqui tem seguro para Motor Home, diferente dos outros países que passamos que não tinha e não fizemos. Depois disso fomos com todos os papéis para o setor da fazenda fazer os trâmites. Esperamos a boa vontade do funcionário até chegar a minha vez. Sempre orientamos sobre os documentos dos nossos carros, pois eles não entendem muito bem o que está escrito. Com os documentos na frente, vão perguntando e eu respondendo e apontando nos campos dos documentos para eles terem uma confirmação. Assim, acaba saindo uma brincadeira e outra, quebra-se o gelo inicial, e tudo sai com uma energia melhor. Depois, o fiscal e mais um outro, solicitam para ir até o MH para confirmação dos dados do documento. Dão uma olhada por dentro, mas por curiosidade e o outro fiscal pergunta se temos um Perro (cachorro). Digo que o único Perro da casa sou eu. Risadas, enfim não olharam nada, nem geladeira, nem se tinha frutas, verduras ou produto de origem animal ou industrializados. No final, voltamos ao setor, o fiscal dá mais um carimbo (selo) e solicita para passarmos com o carro para fazermos a pulverização. Tudo sem custo.
Dali, alegres por estarmos na Costa Rica, fomos seguindo pela Rodovia Pan-americana que leva o RP2 até a cidade de Palmar. Depois pegamos a rota turística que é a rodovia do litoral sul que leva o nrº. R34 paras as praias e escolhemos para passar a noite a Playa Hermosa. Outra coisa: todo lugar tem uma playa hermosa. Embaixo das árvores e de frente para o mar, ainda aproveitamos para ver o pôr do sol. Fantástico! Passamos a noite sozinho nesta praia.
No dia seguinte, o movimento veio, muitos turistas americanos. Encontramos uma brasileira de nome Ana Carina e seu marido americano. Ela de Recife e mora na Carolina do Norte. Deixou o endereço para se passarmos por lá, visita-los. Foi legal ouvir uma brasileira falar com aquele sotaque lindo de Pernambuco. Ficamos até o final da tarde nesta praia e quando o sol estava se pondo, o dono da barraquinha ao lado veio trazer dois cocos gelados e ainda dois ceviche para nós. Estava uma delícia. Demos uma camiseta para ele de lembrança do Brasil.
Saímos dessa praia, continuando na R34 fomos a 3 Km da Praia de Dominical, comprar gasolina para o gerador e voltamos novamente para a Praia Dominical para passarmos a noite de frente para o mar, embaixo de muitas árvores. Este senário se repete por aqui.
Venho aqui, incansavelmente falar sobre o calor, mas estamos sentindo muito mesmo. Como os nossos acampamentos são todos Free (0800) até o momento, temos que utilizar o gerador para termos energia elétrica para o ar condicionado. Infelizmente, mesmo de frente para o mar, não tem nenhuma brisa. As praias são lindas, o pessoal muito bacana e encontramos sempre Overlanders. Ai cada um conta um pouco das suas viagens, o que pretende fazer, enfim troca de experiências. O amanhecer foi muito lindo. Acordamos no horário local 05:30 horas da manhã. O nosso corpo já está habituado ao horário antigo da região norte da América do Sul. Ou seja, 01 hora a mais.
Depois de muita conversa a noite anterior, sobre o clima e também em função de praias, que são belas, mas como vivemos na praia, queremos outras paisagens, como: vulcão, montanhas, lagos e por isso resolvemos mudar o nosso trajeto. Seguimos pela R34 até Barú. Depois pegamos a R243 até San Isidro de El General, onde fui fazer cambio no banco e comprar um chip para o celular. Outra informação: aqui vale a pena fazer o câmbio nos bancos, levando o passaporte. Vale a pesquisa entre eles também, foi o que melhor pagaram e é mais seguro.
De San Isidro El General, voltamos a pegar a Rodovia Pan-americana RP 2, novamente para subir as montanhas, passando pelo Cerro de La Muerte e explorar esta região da parte norte. O Cerro de La Muerte é uma serra muito longa, que chega ao 3.147 msnm. A temperatura mudou bastante, na casa dos 18 ºC, dando um belo refresco para nós. Chegamos na portaria do Parque Nacional Los Quetzales, praticamente no final do horário de trabalho que era 03:30 horas e assim, resolvemos passar a noite na frente da portaria do parque, para amanhã fazermos uma caminhada numa trilha. A noite rolou uma canja de galinha regada com um vinho.
Acordamos cedo, com um dia lindo de sol e a temperatura muito agradável. Tomamos o nosso café da manhã, e demos uma arrumada na casa e fomos fazer a trilha do Ojo de Agua.  A trilha tem em torno de 2 km, no meio de uma mata úmida, com várias espécies da flora e no silêncio a gente consegue escutar e observar alguns pássaros. Vimos várias espécies de beija flor. Vamos abrir um parêntesis: A Costa Rica, sendo um país pequeno, tem mais de 190 reservas biológicas, parques nacionais e refúgio da vida selvagem. No planeta, poucos países se comparam a Costa Rica pela diversidade de Flora e Fauna, por exemplo tem 5% das espécies de borboletas identificadas no mundo. Tem a maior diversidade de pássaros do mundo, com mais de 850 espécies identificadas, correspondendo a 10% do total conhecido mundialmente. Outra coisa interessante: não tem exército, pois tornou-se neutra e grande parte da economia refere-se ao Turismo. Aqui é o paraíso dos americanos, pois não faltam turismo de aventuras.
Depois de duas noites dormidas em frente ao PN Los Quetzales, vamos seguir pela PN 2 até a cidade de Cartago e depois vamos pegar a R224 até Orosi, circular o Lago Cachi, onde muitos lugares interessantes para conhecer.
Circulamos todo este vale em volta do Lago Cachi. Lugares muito lindos e bem aconchegantes. Pois são pequenas comunidades e os lugares são bem tranquilos. Em Cartago, vimos um Supermercado do Walmart, com belo estacionamento e paramos o nosso MH na sombra e fomos fazer umas compras. Resolvemos aproveitar o local da sombra e fazer o nosso almoço. Depois, continuamos até a cidade de Paraíso e depois até Orosi. Em Orosi tinha uma competição de mountain bike. A cidade é pequena e estava completamente cheia de visitantes. Outra observação: O Costa Riquenho pratica em muito andar de bike pelas montanas e também pelo interior. É um esporte praticado em todas as idades e também físicos. Passamos pela represa e fomos até Ujarrás, cidade a beira do lago e que tem um parque muito arborizado e tem uma ruina de uma igreja do ano de 1681 e que com o terremoto de 1822 ficou somente as ruinas e é muito visitada. Dormimos duas noites em frente ao parque e aproveitamos para pôr a casa em ordem.
Acordamos no nosso horário normal, tomamos o nosso café e preparamos para partir. Antes disso, ligamos máquina para lavar louça, enchemos o tanque de agua potável e rumamos para San José na Autocori, revenda da Iveco da Costa Rica para fazermos uma revisão. Trocamos as pastilhas de freio, óleo e também todos os filtros. Enquanto estavam fazendo a revisão a Valk estava fazendo um risoto para o nosso almoço. Depois que terminou a revisão seguimos para o Parque Nacional Vulcão Poás. Quando chegamos, estavam fechando o parque. Por isso, passamos a noite na entrada do parque próximo ao Vulcão Poás.
Como de praxe, tomamos o nosso café da manhã e na entrada do parque tinha uma fila de ônibus e mais alguns carros aguardando a abertura do parque. Nós, tranquilos, após a chegada dos guardas, e depois que as excursões entraram no parque, fomos entrar também. Paga-se a entrada e também o estacionamento. Podendo ficar até as 03:30 da tarde. O parque é muito bem estruturado, com vários banheiros, loja e um bom café. Seguimos duas trilhas: a primeira direto ao mirante do Vulcão Poás. Fantástico!!!depois seguimos a trilha até a laguna Botas. Encontramos vários tipos de pássaros e também esquilos.  A vista também é maravilhosa. Fizemos o nosso almoço e mais tarde seguimos para o Zooaves para ver se encontramos o pássaro símbolo da Costa Rica, o Quetazal. Assim dizia o guia que tínhamos. Ledo engano, não tinha nenhum da espécie. Como não tinha lugar seguro para passar a noite, pegamos a R 01 e dormimos num Posto de combustível.
Acordamos não muito cedo, mas o sol já estava bastante firme. Tomamos o nosso café da manhã, como de rotina, reabastecemos o nosso MH e aproveitei para colocar meio litro de Actoil no diesel. Assim evita acumulo de sujeira, agua e ainda atua na limpeza dos componentes injetores.
Isso praticamente é a nossa rotina diária. Tem gente que quer fugir da rotina, mas não tem jeito, acabamos criando outras. Mas, nem tudo que é rotina é ruim. Precisamos delas para termos um padrão de segurança, pois são muitas as coisas a se verificar e um item mal avaliado, pode pôr tudo a perder. Então, bem-vinda rotina.
Dito isso, rumamos pela R141 até a Ciudad Quesada (San Carlos). Esta rodovia é um eterno sobe e desce. Depois de chegar a quase 2400 metros, voltamos ao nível do mar. Descer esta estrada com muita curva, caminhões enormes, dividindo a pista estreita e ainda por cima cuidar dos freios. Depois pegamos a R142 passando pela La Fortuna e Tabacón, avistando o Vulcão Arenal com seu estilo totalmente cônico. Fantástico! E em seguida, entramos para o Parque Nacional Vulcán Arenal (2km de estrada não pavimentada e com pedra). Chegamos após as 13:30 horas e resolvemos não entrar, deixando para o dia seguinte. Voltamos até a R142, circulando todo o Lago Arenal até a cidade de Nuevo Arenal, onde tem um parque municipal, a beira do lago para passar a noite. O lugar é muito bacana, com árvores e iluminado a noite. Fica uns 10 minutos a pé do centro da cidade. E ainda por cima grátis!!!

Ficamos 3 dias para descansar, nadar no lago e também lavar o nosso MH que desde que sai de casa não lavei. Como tinha agua disponível, resolvi lavar. É sempre bom achar um lugar tranquilo para descansar, admirar a paisagem, pois tem muitos pássaros, esquilos e ouvimos bem próximo grito de Bugios (macacos). O pessoal também pesca no lago. Amanhã novamente pegaremos a estrada.
Iveco - Costa Rica


Lago Arenal

Lago Arenal

Lago Cachi

Lago e Vulcão Arenal

Praia Dominical

Playa Hermosa

PN Los Quetzales

PN Vulcão Poás

PN Vulcão Poás

PN Vulcão Poás

PN Vulcão Poás

Ruínas de Ujarrás

Ruínas de Ujarrás

Ruínas de Ujarrás

Ruínas de Ujarrás

Ruínas de Ujarrás

PN Vulcão Arenal

PN Vulcão Arenal

Zarcero

Um comentário:

  1. Cada dia suas descrições está mais elaboradas nos deixando um gosto de quero mais. Lindas as fotos e saber que vocês estão bem e gostando da aventura. Forte abraço

    ResponderExcluir